Número total de visualizações de página

sábado, outubro 30, 2004

Sigaaaa!

"Alguns jornais garantem que, no orçamento de Estado para 2005, o governo vai cortar na educação e vai investir mais na defesa.

Ou seja, a boa notícia é que vamos ter submarinos e helicópteros novos em folha.

A má notícia é que vamos continuar a ter alunos universitários a escrever élicoptero e subemarino. "

Depois ainda dizem que isto está a melhorar, só ainda não descobri para quem.
Provavelmente é para alguém que eu não conheço, que viva bem longe daqui (Lx), lá para trás do Sol posto, enfim, que não viva em Portugal...

Mas como diria eu: Sigaaaa!

quarta-feira, outubro 27, 2004

Super Size Me!!!

Saudações amigos leitores e comentadores do blog da desgraça!

Como já devem ter reparado, hoje não me apetece falar de política, não vá aparecer por aí um Ministro a inviabilizar este meu espaço.
Hoje vou falar de um filme inquietante que está nas salas de cinema, de seu nome - Super Size Me

Numa clara onda documental ao estilo Michael Moore, Morgan Spurlock embarca numa aventura gastronómica no fantástico e vicioso mundo do "Fast-Food".
Sendo cidadão de um país onde os Obesos são uma maioria em franca expansão, Morgan decide passar um mês com alimentação exclusiva dessa uma grande marca de "Fast-Food" cujo nome, tem como símbolo um gigantesco M, e que pelo meio, tem um nome de personagem de Walt Disney, para os mais desatentos, é aquele Pato rabugento, o Donald.
Spurlock, jovem saudável (comprovado por 3 diferentes especialistas na área da medicina), demonstra como os alimentos de aspecto inofensivo deste grande gigante multinacional, podem ser nocivos, se ingeridos em grande quantidade.

A cadeia em causa tem o seu mérito. Não é por acaso que as crianças reconhecem figuras relacionadas com o restaurante, e não reconhecem figuras tão universais como Jesus Cristo - cena que me chocou particularmente.
Para além de ser extremamente agradável, e apelar subliminarmente, ao consumo por faixas etárias cada vez mais baixas, todos os ingredientes são escolhidos de forma a garantir um verdadeiro estado de vício, tendo um consumidor habitual, como o ‘experimentalista’ Morgan, sentido vários sintomas de carência que só são suprimidos com alimentos disponibilizados pela cadeia em causa.
Mas não vou ser hipócrita e dizer que não como, nem nunca comi “fast food”
Tempo houve em que os meus jantares eram compostos por menus hiper calóricos, acompanhados por uma típica bebida enorme.
Passado todo este tempo percebi a razão de ser de uns quantos sintomas que eu, e o meu companheiro de jantares, tivemos nessa altura. E não sei se tem alguma explicação genética mas os sintomas manifestaram-se todos, rapidamente no rapaz em causa.



Outra coisa que o filme mencionou foi o 'facilitismo' da civilização Ocidental.
Na minha infância, e boa parte da juventude, comer fora era algo que se fazia em situações muito especiais. A minha alimentação era maioritariamente, senão exclusivamente caseira e saudável.
Creio que não digo nenhuma falsidade se afirmar que, é muito comum, os casais jovens com filhos, optarem por fazer refeições nos espaços de “fast food” com uma certa regularidade.
Não digo que a partir de agora vou banir a 100% a cadeia com o nome do pato, mas fiquei com consciência que, comer “fast-food” passou a ser algo a fazer com um certo carácter extremamente esporádico.

Por último, algo que achei interessante:
- Somos tão críticos para com os fumadores, eu própria sou uma daquelas melgas que zumbe aos ouvidos de um amigo que fume: devias deixar de fumar!, mas não vejo a obesidade e os maus hábitos alimentares da mesma forma.
Curioso, não acham?
Ser obeso é socialmente correcto.
É engraçado como nos sentimos, e manifestamos, o nosso incómodo para com os fumadores mas para com os obesos temos uma postura tão passiva mesmo sabendo que a obesidade é a causadora de graves problemas que podem levar à morte, e que, às vezes, um bom conselho consegue salvar uma vida.

Será que só nos preocupamos com os fumadores porque o conceito de fumador passivo é uma realidade, e o conceito de obeso passivo é uma improbabilidade?
Gostava de saber a vossa opinião sobre esta questão civilizacional.
Afinal mais de metade da população portuguesa (51,6 por cento) tem peso a mais ou sofre de obesidade, e quem sabe, algum de vós até pertence a esta percentagem crescente no nosso país
Por isso é que vos recomendo este filme.

Parafraseando o Lauro Dérmio - Óluaize waxe gude moves

quinta-feira, outubro 21, 2004

Já não percebo nada!!

Saudações caros amigos, leitores e comentadores do blog da desgraça!

Tive afastada das lides critico-editoriais durante uns tempos mas estou de volta!
Durante este pequeno interregno dei por mim a concluir que este novo governo desde a tomada de posse não passa uma semana sem uma grande declaração de um ministro, ou do Primeiro, na sequência de uma trapalhice.
Ele são os professores que não são colocados atempadamente, e em condições normais, o Ministro das Finanças a chamar à atenção as famílias portuguesas para evitar ‘desgovernos’, comentadores de canais privados a serem afastados na sequência de declarações do Ministro dos Assuntos Parlamentares, o pobre do Santana Flopes têm andado a fazer comunicações ao país, quase, quinzenalmente.

A última polémica ainda foi mais desconcertante.
No seguimento do caso do comentador da TVI, o ministro Mortais Sarnento vem dar força à ideia que o Jorge ‘Almighty’ referiu à pouco tempo. Uma grande entidade altamente democrática e reguladora dessas liberdades de andar por aí a comentarem e criticarem impunemente.

Mas o que é interessante é que o mesmo senhor faz declarações contraditórias.
Um dia diz uma coisa, o outro dia diz de outra maneira.

Mortais Sarnento defende que deve ser o governo a definir o modelo de programação da RTP.
"O ministro (...) defende que o Executivo não pode escolher os responsáveis das áreas de programas e de informação da televisão pública, mas diz que deve ser o Executivo a definir o modelo de programação, uma vez que, é o Governo que responde perante os eleitores. "

Mas isto foi só no dia 19 (ontem) porque no dia seguinte o discurso mudou.

"O ministro, Mortais Sarnento, garantiu esta quarta-feira na Assembleia da República que o Governo nunca interferiu e nunca interferirá nos conteúdos e informação dos órgãos de comunicação social. "

Os caros amigos, leitores comentadores podem alegar:
- Mas ó querida comentadora, só tás a usar fontes viciadas, tens que te fundamentar em fontes mais apropriadas.

Ok. Então vamos ver como é que a agência noticiosa portuguesa - fonte mais que fidedigna - relata este acontecimento:

- É necessário "haver limites à independência" dos operadores públicos sob pena de ser adoptado "um modelo perverso" que exige responsabilidades a quem não toma as decisões, defendeu. RTP: Morais Sarmento defende definição do modelo da estação pelo Governo Lisboa 19 de Outubro

- "A comunicação social é e será com este Governo uma comunicação social cada vez mais livre", assegurou. Lisboa 20 de Outubro
Estou novamente baralhada.
Afinal o senhor em causa deve estar mais demente que um qualquer paciente com esquizofrenia do Júlio de Matos, com tanta incoerência de um dia para o outro. Provavelmente tem problemas de memória, será?

Entretanto no caso do comentador da TVI, a Alta Autoridade para a Comunicação Social, entrou em acção e ontem pediu a todas as partes envolvidas (comentador, ministro e a TVI) depoimentos sobre os acontecimentos. Será que vamos ter direito a uma avaliação isenta e apartidária deste caso?

Imagino que nestes próximos dias o pobre do Primeiro vai ter que falar, novamente, à nação. Sim porque, a acrescer aos casos anteriores, temos mais acontecimentos:
- O autismo demonstrado pela Ministra da Educação que continua a rejeitar responsabilidades no atraso na colocação dos professores (e muitas escolas continuam se professores);
- As agressões contra os estudantes universitários de Coimbra que foram impedidos de avançar pelo forte contingente policial que se encontrava no local. O Ministro da Educação diz que não teve conhecimento de algum incidente, carga policial, apenas de uma contenção do avanço dos manifestantes universitários. Os manifestantes têm uma versão diferente, e falam de agressões e utilização de gás-pimenta.

Mais uma cena revivalista de um antigo regime ditatorial que vigorou no século passado.
Não percam o próximo episódio porque eu também não! (estranho, isto soa-me familiar)

A comentadora da desgraça

Letra Negra

quinta-feira, outubro 14, 2004

O insignificante Homem Não Identificado

Tem piada...
O George W. não o conhecer, ou reconhecer uma figura que lhe aperta a mão, é normal mas até eu não conheço bem este "desconhecido".
Sei que, de vez em quando, aparece na televisão mas julgo que participava num programa de humor ao estilo do "Sim senhor Ministro" que passava na RTP, na década de 80.
Mas já percebi que estou enganada. É o boneco da "Contra-Informação" o Santana Flopes!



Adaptado de uma notícia da revista "Visão"
(não vá aparecer a Censura)

terça-feira, outubro 12, 2004

Da próxima vez podia dizer alguma coisa à nação?

Bem hajam caros amigos leitores e comentadores!

Viram o comunicado à nação do nosso Primeiro?
Eu não. Por motivos de força maior não estava em casa e fui privada desse momento de humor que certamente consegue bater as gargalhadas dos "Tótós do Riso".
Vamos lá então ver o que a Agência de Informação nacional diz sobre isto, vamos ver e eu vou comentar, claro!

"Com o Orçamento de 2005, abrir-se-á uma janela de esperança para todos"
- Olha que gaita! Eu nunca disse que precisava de mais janelas cá em casa!

(…) "liberdade comanda" a vida, salientando que Portugal é um "país livre", onde os "cidadãos são livres, a justiça é livre, o parlamento é livre".
- Ok. Essa parte eu já tinha percebido – Fala o que quiseres mas não abuses… Ainda não és Ministra dos Assuntos Parlamentares, nem Ministra da Defesa, e ainda não te filiaste no PP.

"pluralismo é sagrado" e recusando "a concentração ou o poder hegemónico na Comunicação Social".
- O pluralismo é sagrado mas essa conversa de comentadores a dizer mal do Partido no Governo na Comunicação Social, especialmente numa estação televisiva privada, não pode passar impune.

PSL referiu que a maioria PSD/CDS-PP "trabalhou para uma nova entidade reguladora e numa lei da imprensa com suficientes garantias para os profissionais, mas principalmente, para os cidadãos que queiram fazer ouvir a sua voz".
- Lá foram estes malandros incomodar o sr. Velhinho ao cemitério de Santa Comba Dão, desta vez para poder saber mais umas noções de censura com casos práticos e também umas medidas de coacção para os reincidentes nesses abusos de exprimir opiniões contra o governo.

As "dúvidas sobre a solidez da democracia" colocadas ao longo dos três últimos meses foram também abordadas por Pedro Santana Lopes, que assegurou que "às palavras e aos discursos que se preocupam com a aparência das coisas", o Governo responde com a concretização de objectivos, nomeadamente tornar Portugal "um país mais rico e mais justo".
Mais rico?
Sim é verdade a clivagem entre ricos e pobres alarga-se dando origem a pobres cada vez mais pobres e, a ricos obviamente mais ricos.
Mais justos?
Quando se aperta o cinto é uma consequência lógica, as calças ficarem mais justas na cintura. O problema é que, acho que não vai ser só na cintura que isto vai ficar mais justo – nova tendência de Outono/Inverno golas altas para poder disfarçar a corda que também temos no pescoço.

"O senhor Presidente da República, há três meses tomou a decisão de empossar este Governo querendo obviamente, como todos os portugueses, que tenhamos sucesso, para bem de Portugal"
- Não estão exactamente a ser muito bem sucedidos. Pelo menos na parte de “dar hipóteses” ao Zé Povinho de respirar de alívio, afinal o tempo da contenção das despesas só afectou alguns poucos portugueses. Portugueses filiados no CDS/PP e PSD, evidentemente.

"As pensões aumentarão entre um mínimo de 2,5 por cento e um máximo de 9 por cento, de acordo com o princípio da convergência das pensões mais baixas com o salário mínimo. Esta medida abrangerá cerca de um milhão e meio de reformados e pensionistas", disse Santana Lopes.
- Continua a dar graxa aos velhinhos, afinal eles são a maior fatia de eleitores, por isso, à falta de visitas às praças e feiras pelo Paulinho das Feiras, convém dizer umas aldrabices. Melhor, repetir promessas de campanha eleitoral de Durão B que ainda não tiveram tempo de ser cumpridas, mas como os velhinhos não se lembram fica sempre bem repetir a promessa antiga, pode ser que eles votem outra vez nos nossos bons partidos do governo de coligação.

"Em apenas três meses de governação tomámos estas e tantas outras medidas. Sabendo que, como em tudo na vida, houve situações como a colocação dos professores que não correram como devido. Não se repetirá"
- Olha outra promessa do tempo do outro senhor que agora anda a passear pela Europa. O que acontecerá para o ano com os professores? Serão colocados em províncias ultramarinas… desculpem lá, esta agora era desnecessária mas, acredito que se ainda existissem províncias ultramarinas todos os professores do continente eram destacados para as províncias e reciprocamente.

Falar mais especificamente de aumentos, não li nada. Do IRS falou muito por alto e sem aprofundar "reduzir as taxas sem deixar de fazer a normal actualização de escalões", sem, contudo, explicitar o valor das reduções.

Tudo bem espremido, o que é que o senhor Primeiro disse na declaração da noite de 11 de Outubro?
Nada de novo. Mais umas demonstração de fraca sofística, muita demagogia, .afirmações contraditórias com as declarações do Bagão Feliz bem como a tendência de aumento do Petróleo para os próximos tempos.

...E ainda não temos resultados das eleições norte-americanas, o que constitui um acontecimento que pode mudar muito do panorama internacional.
Entretanto nos debates televisivos George W. continua a dar provas como líder ambíguo. Não ouviram falar no caso da estranha corcunda quadrada do Presidente dos EUA durante os debates com o oponente Kerry?
Nada como um auxiliar de argumentação para quem não têm os dotes necessários para enfrentar um bom debate.

Adaptando uma exclamação de um colega bloguístico - Estou Farta!
Farta e com graves problemas de insónias.

A vossa comentadora em desgraça,
Letra Negra

sábado, outubro 09, 2004

A montanha pariu.. um lobby!

Saudações chuvosas amigos, leitores e comentadores!

Parece que o Outono já deu o ar da sua graça (?) e fez a sua aparição pelo território continental.

Ventos fortes sopram dos lados de Belém.
"O Presidente da República justificou o encontro tido na quinta-feira com Marcelo Rebelo de Sousa com a necessidade de se exercer a vigilância democrática, pois não há democracia sem liberdade de expressão."
Vigilância sobre a liberdade de expressão?!
Parece que o senhor disse qualquer coisa como: Fala o que quiseres, mas não te abuses!

«Neste domínio, em muitos países está a ser opaca, por isso são precisas entidades reguladoras fortes. Existe toda a motivação para que esta vigilância que é própria de qualquer democracia se possa dotar dos mecanismos normais e permanentes»
Novamente vi juntas duas palavras que eu não entendo como sendo muito coerentes em democracia "entidades reguladoras fortes" e "vigilância".
Não entendo mesmo o que o nosso 'Almighty' Jorge quer.

«Acho que a questão da liberdade de expressão e da liberdade em geral é uma batalha de todos os dias. Vai sê-lo cada vez mais à medida que os interesses económicos têm uma palavra decisiva a assumir»
Então afinal quem é que deve 'vigiar' a excessiva liberdade de expressão?
Os grandes lobbies económicos ao Poder e com poderes acrescidos de censura?
O que for um comentário lucrativo fica, o que não for, censura em cima?
É essa a única elação que consigo tirar desta declaração, por mais vezes que eu leia isto, mas parece que ultimamente não estou com a minha capacidade de interpretação lógica no máximo.

Caros amigos, leitores e comentadores, é com muita tristeza que comunico a minha desconfiança sobre a saúde desta nossa nação. Suponho que agora tivemos oportunidade de ver o nosso Jorge 'Almighty' anunciar a criação de um órgão de repressão.

E saber que ainda ontem li isto no Portugal Diário:
"A teoria da dissolução ganha força quando no PSD já se fala que o melhor prazo para Sampaio demonstrar perda de confiança no Governo de Santana Lopes será Março ou Abril do próximo ano. A tempo de convocar eleições legislativas e agendá-las para a mesma altura das autárquicas. "
Não vai haver dissolução nenhuma, só a mesma confusão de sempre e qualquer dia será anunciado o Novo Estado Novo.

God have mercy on our souls.

a comentadora da desgraça
LetraNegra

quinta-feira, outubro 07, 2004

Democracia Condicionada

Bons dias caros amigos, leitores e comentadores deste espaço de livre expressão!

Não sei se têm acompanhado o caso do abandono/afastamento do professor Marcelo Rebelo de Sousa, do seu cargo de comentador dos jornais da noite de domingo da TVI.
Não vi com atenção o directo de domingo mas revi hoje melhor a causa do ressurgimento destas manifestações de Censura em Portugal. Depois de rever, fiquei com a mesma certeza:
Ser perspicaz, impertinente e inteligente é um grande incómodo para muita gente!

Este caso pode ser o primeiro passo para ser estabelecido um precedente muito complexo, um verdadeiro desafio para a nossa democracia - o condicionamento de um direitos básicos como o direito à livre expressão.

Qual vai ser o próximo passo?
Anunciar o regime ditatorial de extrema-direita?
Fazer do nosso Jorge ‘Almighty’ e de Santana Lopes, figuras acessórias e decorativas como fora Américo Tomás nos idos tempos do senhor de Santa Comba Dão, também conhecido por António Oliveira Salazar?

Especulações e divagações à parte, o nosso ‘Almighty’ Jorge Sampaio vai reunir-se com o professor Marcelo Rebelo de Sousa hoje pelas 12.45.
Reunião que partiu de iniciativa própria do nosso Presidente, o que é um facto positivo.
Mas será que dá para auspiciar daqui alguma decisão, uma tomada de posição de força maior sobre esta coligação governante?
Eu como fiquei desiludida da última vez, já não espero nada, só acho que o senhor não tinha vontade de acordar cedo e fazer uma investigação sobre o que se passava.
Bem vista a situação, assim até arranjava uma sábia companhia para o almoço em Belém, não desfazendo da Zézinha, ups… da senhora sua esposa, claro!

Está a gerar-se um ambiente muito negro no nosso país com este governo de ‘Jobs only for friends’ e declarações que ofendem princípios básicos constitucionais e tão arduamente conquistados com o 25 de Abril.

Mas no fundo, bem lá no fundo tenho uma réstia de esperança que isto tudo seja a tempestade para depois vir um bom período de bonança para Portugal.
Nós precisamos disso, e agora mais que nunca.

Esperemos que saia algum fumo branco da reunião-almoço, e eu não estou a falar de vapor dos pratos quentes e requintados da casa do Presidente!

Por agora, desejo um resto de boa manhã e um valente bem haja para todos vós!

A comentadora expectante

LetraNegra

quarta-feira, outubro 06, 2004

Campeões das contratações!

Saudações amigos, leitores e comentadores!

Cada dia sua desilusão!

Todos os dias vejo anúncios de emprego precário, verdadeiro trabalho escravo com um papel de embrulho bonitinho.
Todos os dias, tento convencer-me que, vou ter mesmo que me submeter a esta solução se eu quiser trabalhar. É esta a grande recompensa que o nosso país dá, mas não vale a pena perder mais tempo com auto-comiseração.

Vamos ver as notícias do dia.

79 dias depois, o governo de coligação liderado (?) por Pedro Santana Lopes, nomeou.... mais de 1034 pessoas para a sua equipe?!
Já se fizeram todas estas contratações em tão pouco tempo?
A uma velocidade de 13 contratações por dia, o governo da continuidade, não está a continuar a política de contenção de contratações.
Ao que consta, o governo de coligação, na fase Durão Barroso - Manuela Ferreira Leite, foi coerente e durante os 5 meses fez 1260 contratações.

Agora como a contenção já não é palavra de ordem, vamos lá fazer contratações como deve ser. E ao que li, tinha de ser o meu pesadelo o melhor empregador - Bagão Felizzz - 96 nomeações!!!
Mas os senhores têm uma justificação:

«A maior parte das nomeações feitas agora resultam da recondução de pessoas, nomeadamente de funcionários públicos com funções nos gabinetes anteriores»

Sic Online

"as nomeações não vão parar para já porque há ministros e secretários de Estado que ainda não nomearam qualquer assesor/colaborador/consultor, administrativos e motoristas"

Portugal Diário

"Das 946 nomeações para os gabinetes, de acordo com o Jornal de Negócios, 403 foram «recrutamentos» a organismos públicos, 293 foram destacados de outros serviços de Estado, e 288 não têm qualquer vínculo à Administração Pública."

Bem… pode ser que me "toque" qualquer coisinha, ou talvez não…

Tantas nomeações, ou em bom português, tantos 'tachos' milionários que esta coligação dá aos amigos!

Vós, meus caros leitores/comentadores, também partilham alguma das minhas opiniões?
Não sou só eu que ando revoltada, nem com contestação barata, certo?

Por hoje é tudo, vou ver se curo esta constipação depressa.
Desculpem lá mas, não há nariz que aguente uma constipação destas durante muito tempo!

A vossa comentadora constipadíssima,
Letra Negra

segunda-feira, outubro 04, 2004

5 de Outubro - Implantação da República



Saudações caros amigos leitores e comentadores!

Sabia que amanhã era feriado. Mas como não me é invulgar, não sabia qual a comemoração que se fazia nesta data. Algumas datas sei mas esta, confesso que não me recordava.
(Desculpem a sinceridade mas só assim pude fazer o post que hoje vos trago.)
Tomada também pela minha típica curiosidade, decidi averiguar todo o contexto da data 5 de Outubro de 1910...

5 de Outubro de 1910

- Pontapé no rabo do Rei D. Manuel II -
Instauração da República e constituição do Governo Provisório a que preside Teófilo Braga..


O dito pontapé foi tão grande, ou tão pequeno, que o Rei foi parar ao exílio em Inglaterra.
D.Manuel II não deve ter ficado muito aborrecido. Afinal o cargo de Rei não foi algo para o qual estava preparado.
Para os que não se lembram (eu inclusive), D. Manuel II subiu ao trono na sequência do regicídio do seu pai, o rei do Carlos, a 1 de Fevereiro de 1908.

Portugal no início de século XX fervilhava com os ideais republicanos que viriam a culminar na sua implantação da República.
Toda a Europa ainda era maioritariamente monárquica. Fomos pioneiros nas lides da libertação da autoridade de Reis. Mas como em todos os processos de mudança aproximavam-se períodos conturbados para os quais a jovem República Portuguesa ainda não estava bem preparada. Desde a sucessão de governos a um ritmo imprevisto, passando pela fragmentação partidária, aos primeiros sinais de anarco-sindicalismo, e não esquecer, as múltiplas tentativas de Restauração da Monarquia, a vida da jovem República Portuguesa não foi pacífica.

Pela primeira vez foram dadas ao povo direitos e liberdades, de associação, de expressão, direitos eleitorais, mas não a igualdade social. Nunca foi conseguido encontrar meios para eliminar as precárias condições de vida da grande massa da população, extremamente pobre e com elevado nível de analfabetismo.

A dificuldade em solucionar questões sociais e a inevitabilidade do fluxo constante de emigrantes (para o Brasil e para os Estados Unidos, principalmente), despovoaram áreas extensas do país e teve reflexos negativos sobre a economia.

Mas um último facto agravou a débil situação portuguesa - a Primeira Guerra Mundial.
Portugal participou numa iniciativa de salvaguardar e defender as colónias ultramarinas.
O resultado desta investida teve um saldo muito negativo para a economia e vidas dos portugueses que foram obrigados a participar na guerra sem qualquer tipo de preparação prévia.

Foi inevitável o descrédito em que caiu a República que acabou por ser convertida no regime Salazarista, com menos direitos, menos liberdades mas maior calmaria e segurança e resistência a factores externos como a II Guerra Mundial.

O cenário da Primeira República assemelha-se à situação actual, não de uma maneira tão radical, mas reparem:
as desigualdades sociais agravam-se, o índice de pobreza extrema é cada vez mais elevado, a opção pela emigração cada vez mais viável.

O que virá depois?

Um novo regime autoritário de Extrema-Direita?

Esperemos que não, mas nunca se sabe...

A pergunta que vos deixo hoje é:
94 anos depois da revolução que deu à luz a primeira República em Portugal, o que é que evoluímos em termos sociais?

Um bom feriado para os que trabalham hoje dia 4 e uma boa continuação de férias para os privilegiados que não contribuem para as taxas de produtividade nacional

A comentadora da desgraça, hoje convertida em comentadora histórica

Letra Negra