Número total de visualizações de página

quarta-feira, junho 30, 2004

Jorge Almighty vs Euro 2004

Salve amigos leitores deste meu modesto blog.

Com a instabilidade do governo, com a expectativa sobre o facto de talvez este país ser finalmente libertado do jugo de Portas, Ferreira Leite e companhia, o cidadão comum que vê TV leva com meia hora de selecção pela cabeça abaixo!
Isto tem uma piada!...
Então agora o seleccionador nacional, 'manda' na minha maneira de vestir?
Nem os meus pais mandam agora vem este senhor, com que autoridade fazer isso?!
Não é por andar de verde e vermelho que apoio mais ou menos a selecção. Eu sou favorável a uma grande goleada e gostava de ver que no fim a taça ficava por cá.. e pessoalmente até gostava de ver uma final entre Portugal - Grécia, o nosso primeiro jogo e mais miserável, seria o último.
Futebol à parte, o momento político que está a acontecer...

Quanto mais debates tenho visto mais acho que o Presidente Sampaio tem um peso enorme sobre os ombros.
Analise-se bem a situação. Temos um governo de coligação que não foi escolhido pelo povo, este povo demente e com sede de vingança pelo anterior executivo, votou só e apenas no PSD de Durão Barroso. Por uma questão de estratégia política, e como uma maioria simples não tem tanta margem de manobra como uma maioria absoluta, fez-se a coligação pós eleitoral entre PSD e CDS-PP. Todos os governos por uma questão de estabilidade (e facilidade na governação) fazem isso.
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, novamente o pouco eleitorado que optou por votar revelou que está cansado deste governo que lançou o país num caos de contenção, desemprego e crise, conseguindo a coligação 'Força Portugal' os piores resultados da direita portuguesa desde 1976.

É claro que o cidadão José Manuel Durão Barroso fez a sua ponderação pragmática - eu estou a ser agraciado pelo trabalho em prol da comunidade internacional e currículo em assuntos de negócios estrangeiros e não vou deixar passar esta oportunidade.
Mas como Primeiro-ministro Durão Barroso, optou por esquecer todos os compromissos eleitorais e nomeou ad-hoc um sucessor: Pedro Santana Lopes.
Agora a pergunta chave:
- Que legitimidade tem este sucessor se nem foi sequer sufragado?
Pedro Santana Lopes é conhecido pelo seu populismo demagogo e sede de protagonismo. Todos os seus grandes projectos na Câmara Municipal de Lisboa são dignos de um megalómano, como por exemplo o novo Parque Mayer.
Com um Primeiro-ministro com este perfil, para onde iriam todos os fundos do erário público, ganhos com tanto sacrifício e contenção pela política de Manuela Ferreira Leite?
Mas neste momento, esta discussão é o sexo dos anjos.
Esperemos que Jorge Sampaio faça o que o povo mais deseja, e deu a entender muito claramente nestas últimas eleições - o fim desta coligação!
Lá estou eu a ser ingénua. O povo quer Portugal campeão, e isso da política "São todos iguais, tou-me borrifando quem lá está!"
Quem se lixa com isto caríssimos... é sempre a vossa redactora que é impossível!

Boa ponderação Sr. Presidente e bom jogo Portugal!
Qual é a admiração?
If you can't beat them, join them :/

segunda-feira, junho 28, 2004

Jorge Almighty - Parte II

Saudações caríssimos leitores.

Durão Barroso quebrou o silêncio.
Certamente que é uma proposta aliciante para uma figura com um curriculum em Relações Internacionais e Negócios Estrangeiros como é o caso de Durão.Trata-se de ” uma posição que honra Portugal, que me sinto capaz de levar a cabo”, referiu o ainda Primeiro-ministro português, sobre o cargo de presidente da Comissão Europeia.

Confesso ter ficado positivamente surpreendida com o ainda Primeiro-ministro que ainda vai falar com o Presidente Jorge Sampaio, executivo e partidos, optando por anunciar amanhã terça-feira a sua decisão final.
O que me deixa extremamente desiludida é toda a atitude do governo.
Uma quantidade de manifestos, comentários, outros que já pedem cargos, outros que os negam, declarações como se já fosse um facto consumado o avanço de Durão rumo à Comissão Europeia.
Pior que isso, estão a desrespeitar a figura soberana do Presidente Jorge Sampaio que realmente irá decidir o futuro deste governo e do país.

O Presidente como bom estadista que tem optado por declarações contidas de uma maneira inteligente, pois e de facto, tem de ponderar a continuidade da retoma com este governo que aos poucos e poucos vai sendo visível, e mais que isso, a instabilidade que pode advir de uma tomada de posição contra os interesses do país e dos cidadãos portugueses. Qual será o mal menor?
Se for auscultada a opinião pública, a maioria acha que a opção de Pedro Santana Lopes como Primeiro-ministro vai ser danosa, que não foi na sua figura que votaram, que Durão está a colocar em primazia os seus interesses esquecendo o compromisso que fez com os seus eleitores, etc. Ontem à tarde e numa iniciativa de convocação de manifestação via SMS, como a que aconteceu em Espanha, ocorreu uma manifestação frente ao Palácio de Belém reivindicando eleições antecipadas e inviabilizando Santana Lopes como sucessor de Durão. A dissolução do governo parece ser a vontade do povo, mas antes de tudo, será que isso será positivo para o País?

E caríssimos… O Presidente da República é uma figura soberana da nossa democracia, porque raios todos acham que ele é o homem transparente?
O Presidente da República quando aprova ou veta uma decisão, não é como os Directores Gerais das empresas que pura e simplesmente fazem a assinatura nas decisões que os outros já tomaram por ele.
Ele é o todo-poderoso. E se os senhores do governo não sabem o que é respeito pelas hierarquias, que aprendam depressa porque é de muito mau gosto andar, como se diz na gíria – a contar com o ovo no cu da galinha.
Sim meus caros, porque se fosse esta vossa redactora a ‘galinha ’, podem ter a certeza que não havia ovos para ninguém!!!
Mais capítulos da telenovela, já dentro de instantes.

domingo, junho 27, 2004

Jorge Almighty!!

As afirmações ainda pertencem maioritariamente ao campo especulativo é um facto, mas se Durão Barroso, Primeiro-Ministro anunciar formalmente a sua decisão de assumir a presidência da Comissão Europeia, o Presidente Jorge Sampaio terá uma tarefa hercúlea pela frente, e hercúlea é um eufemismo para as decisões a tomar nos tempos que se aproximam. Não acreditam? Jorge Sampaio poderá:
- Negar a saída de Durão Barroso para exercer o cargo na Comissão Europeia, ou, se não negar a saída de Durão, poderá querer convocar eleições antecipadas.
Até agora o Presidente tem optado por uma postura de verdadeiro estadista e não quer avançar com comentários precipitados.
Seja qual for a sua decisão, será ponderada e tomada depois de se aconselhar com alguns nomes da política portuguesa nomeadamente Cavaco Silva, entre outros.
Mas nada ainda está verdadeiramente esclarecido.

O Partido Socialista Europeu nem apoia em nada o nomeado, uma vez que faz parte da facção dos activistas da ocupação do Iraque, e isso seria lançar um factor de instabilidade na Comissão, que tende para o espírito conciliador e anti-belicista.
Terça-feira 29 será anunciada e formalizar a decisão de quem será o novo Presidente da Comissão que sucederá ao italiano Romano Prodi.
Se Durão Barroso for o nome, Sampaio poderá mudar o destino do governo e do país.

Será que não vai ser só mais uma grande honra europeia que nunca chegará a ser concretizada?
Será que vão ser convocadas eleições antecipadas ou será apenas um governo renovado?
Ou na pior perspectiva.. será que isto não passará de um 'supostamente'?

O que acham caríssimos leitores?

sexta-feira, junho 25, 2004

Luvas fora!!

Sim caríssimos..

Toda a gente comemorou, mais ou menos bem, a vitória de Portugal.
Ainda bem que me enganei nos cenários que previ. Eu não sou bruxa, se fosse não estava aqui preocupada com o desemprego!
O Ricardo tomou uma grande decisão quando apirou com as luvas e decidiu agarrar a bola com as mãos.

É um pouco como na vida das pessoas.
Existem alturas que é melhor atirar com as luvas para o chão e fazer as grandes defesas com as mãos limpas.
Mais tarde ou mais cedo, todas as decisões que tomamos, começam a revelar todas as suas vantagens e contrapartidas.
Mas parece que quando fazemos as decisões mais acertadas, acontece como ontem no primeiro ciclo de penalties ao guarda redes Ricardo: acabamos por nos lançar para o lado errado da baliza!
Tudo o que nos parece mais difícil acaba por ser o mais acertado.
Acabo por ter uma visão da vida tortuosa, em que só quando o caminho mais estranho e árduo aparece é que me decido e não me arrependo.

Por fim gostava de dizer-vos que não tenho uma bola de cristal assim tão grande para adivinhar cenários.
O cidadão do esfincter problemático (essa personagem mitológica do meu blog) até chegou a confundir a bola com um berlinde de dimensões estranhas!!!
O rapaz é um pouco descrente e desconhecedor destas coisas de cristais de quartzo.

Para o caso dos meus queridos leitores gostarem de aprender um pouco sobre o assunto, visitem o site que vos indico abaixo, é um bom momento de cultura esotérica:
http://www.holos.com.br/holos/artigos/cristais.html

Portem-se bem e luvas para o chão quando fizerem 'aquela' decisão!

Portugal - Inglaterra Parte II

Acabou-se o Euro 2004 para os Ingleses!
Os Ingleses inauguraram o marcador com um grande golo de Owen.
Portugal só conseguiu igualar o resultado na segunda parte depois da saída de Figo que, na minha humilde opinião, é a personalização do azar para a nossa selecção.

Figo se leres isto não fiques ofendido, eu estou aqui na minha reles condição de comentadora, não sei o que é ser futebolista e nem não almejo a fama com as minhas opiniões, como muita gente que anda aí a viver à conta de reles mexericos sobre a tua performance e a da equipa portuguesa mas tens que dar a mão à palmatória, tu saiste e os golos apareceram!
Foi um jogo longo, tive alturas em que eu só queria que alguém marcasse e acabasse ali o raio do jogo.

Mas agora sou eu que tenho de dar a mão à palmatória, foi provavelmente o melhor jogo do Euro 2004, até agora!
O jogo acabou e todos comemoraram. Os Ingleses continuaram a gritar - England! alto e bom som porque podiam ter perdido mas não iam deixar de gritar.
O Fairplay foi uma nota positiva a acrescentar ao jogo - não foram registados problemas durante o jogo.
Os 'Tugas' continuam no sonho deles.
A nação continua envolta nesta onda de positivismo bacoca.
Os 10 mil pedidos de rendimento social de inserção continuam em lista de espera, os 450 mil desempregados sem emprego, mas nada disso interessa, Portugal eliminou mais um e está na meia-final a poucos passos da grande vitória.

E como irão estar essas pessoas no dia depois do fim do 2004?

quinta-feira, junho 24, 2004

Portugal - Inglaterra Parte I

Saudações caríssimos leitores.

Mais uma vez, anda meio mundo entusiasmado com o jogo de futebol da nossa selecção. E o governo esfrega as mãos de contentamento e reza para que o ‘sonho’ continue e mantenha a maior parte dos cidadãos deste lindo país numa suave modorra. Porque é que digo ‘meio mundo’? Simples.
Lisboa a esta hora está um caos com os transportes públicos reduzidos a uns pobres alternativos que têm de obedecer à requisição civil. Uma greve cirúrgica. Um verdadeiro golpe de mestre dos sindicatos que pertencem ao outro ‘meio mundo’ que não se esquece das lutas que travam por causa das reestruturações que o governo visa fazer. Como qualquer greve que se preze, à que prejudicar uns quantos inocentes para a luta passar a ter alguma visibilidade.
Ora aqui a vossa redactora de serviço, puxou da bola de cristal e arrisca estes 2 cenários:

Cenário 1
- Portugal ganha à Inglaterra o que lança os adeptos ingleses, numericamente superiores aos portugueses no estádio da Nova Luz, num sentimento de frustração semi-controlada começa a regressar. A não existência de alternativas viáveis de transporte público e os ‘Tugas’ a festejar em todas as ruas impossibilitando o trânsito acaba por ter efeito de reagente num produto químico altamente inflamável. Resultado: Batalha Campal!

Cenário 2
- Inglaterra ganha a Portugal, país anfitrião, que nem teve hipótese de ter representação significativa no estádio da Nova Luz. Novamente a frustração agravada pela falta de transportes e com as comemorações verdadeiramente efusivas dos ingleses. O mau perder começa a fervilhar nas veias dos 'Tugas' que agora só vão emprestar os estádios para ver um outro qualquer clube levar a melhor e para ajudar o Metro nunca mais chega, o trânsito que não anda, a camioneta não vem, e estes ingleses irritantes que não se calam... agita-se cada vez mais a nitroglicerina dentro dos portugueses. Demora mais um pouco mas o resultado vai ser o mesmo: Batalha Campal!!

E ainda me convidaram para assistir ao jogo no Parque das Nações.. Obrigado mas.. não obrigado!

segunda-feira, junho 21, 2004

Outro bairro que não o meu!

Pois é caríssimos, o sonho continua, as bandeiras ainda andam por aí nas janelas, os juros dos empréstimos para compra de habitação estão a subir.. e tudo continua bem neste lindo canto à beira-mar plantado.
Agora uns comentários ao meu mais recente comentador.

Eu até gosto de futebol, até vi o jogo e tudo isso.
Longe vão os tempos em que eu ia 'à bola' aos domingos e vibrava com os jogos do F.C. Alverca. E assumo publicamente, até estou com medo de ir lá porque tenho as quotas de um ano em atraso... sim é vergonhoso mas quem não tem dinheiro, não tem ... muitos vícios!

Sobre a praia, adoro praia mas só uma meia dúzia longe, bem longe da capital.
Aquele rapaz com um problema de esfíncter (creio que sabe a quem me refiro) era o único que me levava a essas lindas praias mas como ele já não pode colaborar – por motivos de força maior e mais obesa - agora tenho que me satisfazer com o sonhar.
Quanto a praias fluviais, mais uma vez tenho que me contentar com reminiscência nublosas de uma tarde extremamente escaldante com o rapaz do esfíncter problemático, e diga-se em abono da verdade que fiquei deveras traumatizada e não desejo, para bem da minha pouca saúde mental, ir para as bandas da Valada, Porto de Muge e semelhantes.
Mas como disse anteriormente isto é um blog sério e para coisas do foro carnal e sentimental, o link está à vossa disposição.
É o quinto a contar de cima.

E é tudo por hoje, vou ouvir Jorge Palma.

Eh, pá, deixa-me abrir contigo
Desabafar contigo
Falar-te da minha solidão
Ah, é bom sorrir um pouco
Descontrair-me um pouco
Eu sei que tu compreendes bem


Jorge Palma, Bairro do Amor

sexta-feira, junho 18, 2004

O Sol deprime-me!

Um grande bem-haja, meus caros leitores, se é que tenho disso!

Não vou falar do Euro, nem de futebol, não é essa a minha especialidade, apesar de ultimamente parecer uma crítica deste grande acontecimento que ainda decorre no nosso país e que tantos rios de tinta tem feito correr.
Não, hoje não me apetece nada disso.

Ao contrário da generalidade da população ocidental que se sente deprimida com o começo do Outono, eu sinto-me deprimida com o Verão.
De há um ano a esta parte, o Verão voltou a ter o peso que só sentia quando era uma miúda ainda mais pequena que hoje.
Alguns amigos vão embora, vão de férias e eu... eu fico or cá.
Não gosto das praias super-lotadas da nossa capital, são tudo menos o meu conceito de dia calmo com sol.
As praias que eu gosto são longe. Longe demais para a minha débil condição financeira.
E não, não estou a referir-me a um desses paraísos do Pacífico Sul. Essas praias existem cá no nosso Portugal.

No fundo, no fundo, tenho que assumir que tenho uma personalidade complicada.
Adoro as praias de acesso difícil, complexo mesmo.
Tenho uma verdadeira pancada pela ideia de um dia de praia não ser exactamente andar ao chapadão por 1 metro quadrado de areia para colocar a minha toalha, isso e não ter que levar com todo o género de cena típica de praias super-lotadas.
Sim, sou uma elitista da treta!
Se eu pudesse até não me importava de pagar para poder ir para uma praia excelente.
Essas praias excelentes eram uma realidade até há pouco tempo.

O que é que eu posso fazer sobre isso? Para tentar alterar a situação minimamente?
Nada. O que me deixa ainda mais deprimida é não conseguir fazer nada sobre isso.
Pertenço a um país cheio de sol e praias mas não estou a ver a probabilidade de ficar minimamente bronzeada este ano.
Eu até podia, se não fosse assim tão complicada, se não achasse a Costa da Caparica e a Linha de Cascais uma treta.
Um dia eu vou conseguir.
Vou conseguir voltar para aquele sítio lindo que tinha uma água perfeita, uma areia cheia de búzios e conchinhas, um mar cheio de peixes e especialmente pouca gente, é que eu não sei do vosso conceito de praia mas o meu, é a antítese suprema da Costa e da Linha!

quinta-feira, junho 17, 2004

A minha revolta

Saudações caríssimos leitores!

Devo ser das únicas pessoas que ficou perfeitamente indiferente à vitória da selecção portuguesa. Sou um tanto indiferente porque sinto que está tudo num estado de transe tal que só vêm futebol à frente.
Que transmitam os jogos e que exista um sentimento de apoio e alegria vigente, creio que tudo isso seja positivo para o povo português mas... daí a reduzir as notícias do país ao grande jogo Portugal - Rússia?!?!?!?!?
Será que nada aconteceu neste nosso país?
Será que nada foi debatido no parlamento?
E no mundo o que é que se passou?

Talvez eu tenha a minha situação de desemprego tão patente que não entenda a massiva alucinação que vai neste país... mas, eu não sou a única desempregada do país!
Ninguém quer saber das notícias do mundo?
Estarei tão errada em não me sentir feliz por um conjunto de jogadores de futebol, que ganham rios de dinheiro e por isso acho que eles têm a obrigação de ganhar todos os jogos e com distinção?!
Serei eu assim tão injusta quando vejo que o povo português, só se une em causas como estas do futebol?

Porque é que não se unem para conseguir melhores condições de vida como cidadãos europeus que somos? É que a nível de bem-estar existem alturas que nem parece que estamos na União Europeia.
Porque é que não se juntam para conseguir um futuro melhor para os nossos jovens?
É que se for preciso muitos dos nossos jovens estão a ser estupidamente avaliados por apenas 4 ou 5 exames nacionais, enquanto decorre o Euro 2004 e basta não estar bem naquele preciso momento em que decorre o exame, para condenarem todo um futuro!

Ninguém quer saber!
Ninguém quer saber de nada, desde que a nossa selecção marque muitos golos e ganhe...
E se voltarem a perder?
E se nem conseguirem ficar apurados?
O que vai ser deste nosso país, deste nosso povo?
Eu não sei!
E vocês?

domingo, junho 13, 2004

Como o povo português é patriota!

Repararam na onda de bandeiras de Portugal que invadiu todas as ruas do nosso país?
Nem a aldeiazinha onde moro escapou a esta nova moda.
Soube hoje que tal fenómeno aconteceu porque o senhor treinador da nossa selecção de futebol achou que todos os portugueses deviam mostrar o seu apoio pela selecção.
- Então nós somos assim patriotas por causa de futebol, é isso? - Perguntei eu com uma inocência algo tola.
Eu já sabia que o futebol servia para ‘alienar’ as pessoas durante o campeonato mas… desta maneira?
Portugal já não tem problemas de desemprego, não temos que nos preocupar com o cumprimento do pacto de estabilidade, não há mais preocupações com o a subida do custo de vida e o agravamento constante do preço dos combustíveis.
Isso pertence tudo ao passado.
Pertence enquanto existir Euro 2004.
Enquanto a selecção continuar a jogar.
Pobres dos jogadores que têm tanta responsabilidade em cima deles.
É que fazer todo este milagre sem ser santidade é uma fenómeno mesmo paranormal… ou será mesmo Para Anormal?!
Só gente alienada é que remete para cima de jogadores de futebol todo este peso que é fazer o país feliz, nem que seja por pouco tempo.
Ao que sei, a selecção perdeu hoje o primeiro jogo.
Será que a onda de positivismo vai durar para além do Euro 2004?
Será que os 'Tugas' não vão ficar já pelo caminho?
Pessoalmente até gostava de ver um Portugal França na final para ver se desta vez os cromos dos franceses ficam caladinhos.
Isso e parece que toda a gente desistiu da praia para ver o jogo Portugal - Grécia - nas notícias referiram que as praias estavam todas vazias.
O que vale é que amanhã não há jogo da selecção para este meu bom povo tão patriótico, baldar-se às eleições...
Esqueci-me vai estar bom tempo e muito, muito sol!
Depois todos resmungam com a escolha que os outros fizeram por eles.
Como eu diria a um amigo meu - AZAAAAAAAAR!

quarta-feira, junho 09, 2004

Uma despedida

Abandonou-nos hoje um grande senhor da política portuguesa, um grande professor de finanças e um brilhante ministro.

Morreu no cumprimento das suas funções como candidato eleitoral para o Parlamento Europeu.
Deu a vida pela Democracia, esta nossa democracia tão pouco clara e distante da vontade do povo que já nem quer participar dela.
Não devo ter ainda assim tantos leitores mas apelo que, pelo menos, em respeito pela memória do sr. Sousa Franco, cumpram o vosso dever eleitoral como cidadãos do Estado livre e democrático (?) de Portugal.

Descanse em paz sr. António de Sousa Franco, que os céus sejam mais benevolentes.

Um post sério num blog sério

Saudações meus bons leitores!

Como a minha senda no mundo da blogsfera não podia resumir-se apenas a 1 blog poético, 1 blog intimista, 1 blog de diversão e breves participações por blogs de amigos, achei por bem iniciar a minha jornada pelos blogs sérios ;)

Do título dele.. tenho a dizer que foi inspirado numa reportagem que vi, em que uma senhora escritora mencionava esta mistura algo caótica, pra não dizer mesmo paradoxal de estilos de vida e maneiras de estar na vida.
Digam lá se não acham no mínimo caricata a imagem:
"Por entre os muitos buracos da pobre barraca de Tininha, o som da aparelhagem de Cajó passava Brams..."

Eu não estou a dizer que as pessoas dos 'bairros da lata' desconheçam esse grande nome da música clássica mas.. seria mais normal ouvir o novo êxito do 'Rei do Kúduro'...
Isto tudo para dizer que... Porque raios existem pessoas a ganhar prémios, dinheiro e destaque no telejornal por escrever coisas sem cabimento?

Por uma recompensa a quem sabe usar a liberdade de expressão de uma forma não remunerada - Comente aqui ;)