Número total de visualizações de página

terça-feira, setembro 21, 2004

Aprendam com quem sabe!

Saudações cordiais meus caros amigos, leitores e comentadores deste humilde blog!

Numa destas minhas ocasiões de leitura da revista semanal “Visão” encontrei algo que me impressionou deveras. Não se tratava das imagens do massacre de professores, alunos e respectivas famílias portuguesas uma vez que isso já é um precedente deste bom governo de coligação.Era algo melhor. Algo que nunca pensei ouvir de um grande homem de negócios do nosso Portugal dos pequeninos, o sr. Ludgero Marques. E rezava assim o pequeno artigo:

O Fim dos Doutores e Engenheiros...
Desde que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) tornou pública a nota interna que aboliu o tratamento por «senhor douto» ou «senhor engenheiro» que o telefone não pára de tocar.São várias as empresas que, ao mesmo tempo que dão os parabéns pela medida tomada, pretendem saber em que legislação se fundamentou tal decisão para que possam avançar com igual medida dentro de portas. O possível fim do provincianismo lusitano causou mesmo surpresa na vizinha Espanha e houve até um jornal da Galiza que entrevistou o engenheiro, perdão, o sr. Ludgero Marques acerca do assunto.No final, o galego não escondeu o entusiasmo, considerando que a abolição dos títulos académicos no tratamento institucional iria facilitar imenso as relações luso-ibéricas.
... e o embaraço das secretárias
(...) , a verdade é que tal medida está a causar grandes embaraços nas secretárias. Habituadas à bengala do «dr.» e «eng.» para dialogarem com os chefes, a língua não descai agora facilmente para o simples«senhor» ou «senhora», designação geral aprovada em conselho de administração. Vai daí, e Ludgero Marques já passou a «senhor... presidente».
in Exemplo, Visão n.º 602 de 16 de Setembro de 2004


Ora aqui está um verdadeiro exemplo dado por um homem do norte!
Ludgero Marques - Licenciado em Engenharia Mecânica, vem acumulando há anos um grande prestígio nacional e internacional como empresário. À frente da AEP - Associação Empresarial de Portugal durante 20 anos, Ludgero Marques consegue dar uma lição às tentativas frustradas de grandes empresários e gestores portugueses que vivem um pouco à custa do respeito ridículo dos «eng.» e do «dr.».
Trata-se de divulgar e implementar um reconhecimento, não por um grau académico mas por mérito e provas dadas no mundo do trabalho, reconhecimento esse que é muito deficitária nos nossos grandes gestores empresariais.
Pessoalmente, com curso ou sem curso, respeito as pessoas que me respeitam. Sejam elas, doutores, engenheiros, agricultores, colegas desempregados, e o diabo a sete! Só não tolero muito bem os senhores doutores sem consultório, ou sem doutoramento. Quanto a engenheiros, …Não tenho muito a apontar, uma vez que as pessoas que conheço são maioritariamente da área de humanidades, e os que são de ciências e engenharia, só aceitam o nome de engenheiros se ocuparem os devidos cargos, e como nenhum ocupa … somos todos simplesmente amigos, ou conhecidos.

Uma boa semana para todos, os que trabalham, os que estudam, e os que vão às entrevistas, como eu!

A licenciada em desgraça
Letra Negra

Sem comentários: