Número total de visualizações de página

sexta-feira, novembro 05, 2004

Guess who's back!

Afinal não era um pesadelo.
G.W. ganhou mesmo ao democrata John Kerry.
A juntar a este pesadelo Yasser Arafat, o histórico líder da OLP (Organização da Libertação da Palestina), foi declarado morto cerebralmente.

Fatalidades não podem ser evitadas e a verdade é que a saúde de Arafat estava debilitada há já algum tempo… Mas o povo norte-americano reeleger esta criatura ????

Durante os 4 anos de mandato não houve paz no mundo.
Estou a mentir!
Sim porque até acontecer o 11 de Setembro de 2001, o senhor Bush Filho andava a passear pelo país, a cavalgar pelo seu rancho, a fomentar presidências abertas e que o poder poderia ser exercido sem ser nos corredores da Casa Branca, enfim, sempre podem ver (ou rever) o filme Fahrenheit 9/11, no caso de não se recordarem como o mundo era um sítio calmo antes das cruzadas anti-terroristas.

Depois a partir daqui foi todo o efeito dominó do nosso mundo globalizado: sensação de insegurança em quase todos os países aliados da invasão do Afeganistão e da famosa guerra preventiva contra o regime de Saddam Hussein, como se ele tivesse sido autor dos ataques das torres gémeas. Pois não foi mas tinha um recurso muito apetecível para controlo de Bush Filho e seus parceiros de cruzada – OIL (Petróleo).


O famigerado Bin Laden continua a monte, mas – supostamente – veio fazer declarações a poucos dias das eleições norte-americanas, o que a meu ver, contribuiu para a reeleição do combatente Bush face ao menos defensivo Kerry.
Todo o mundo que reclamava a mudança do status quo internacional, vê assim essa hipótese adiada por mais 4 anos.

Agora pergunto eu, que sou uma mente paranóica:
- Será que estas eleições foram melhor manobradas que as que conduziram Bush Filho ao poder?
Repetir a farsa era muito arriscado, desta vez as coisas tinham que ser feitas de maneira à comunidade internacional não ficar com a sensação que tinha sido novamente enganada. Pode não se sentir enganada mas…

- Serão os norte-americanos masoquistas?
Não creio que os eleitores norte-americanos concordem com a situação de aumento de desemprego, injustiça social, e clima de insegurança que o governo Republicano oferece como continuação destes próximos 4 anos.

Já não bastavam as ajudas internas tinha que vir este nosso grande aliado dar uma ajudinha.

Tempos muito obscuros aproximam-se a passos largos e não poderemos fazer nada para os evitar. É mais uma fatalidade como o Arafat, só por dizer que ele possivelmente irá embora a tempo de assistir a este espectáculo dramático a uma distância de segurança.

Nem quero ver.

A vossa comentadora da desgraça global

Letra Negra

Sem comentários: