Número total de visualizações de página

terça-feira, maio 03, 2005

POST 2 EM 1

Boas tardes para todos vós leitores deste meu blog!

Como passei algum tempo calada e achei que tinha de fazer 2 posts em um.

Post 1
Começo muito católica (demais para o meu hábito).
Se andaram na rua da cidade repararam que hoje é dia da espiga.
Já nem me lembrava porque raio havia o dia da espiga.
Lá fui em procurar que raio simboliza o dia da espiga.
Para não vos maçar muito eu dou o resumo:

" Denomina-se "Quinta-feira de Espiga" ou "Dia da Espiga", a quinta-feira de Ascensão. em que a Igreja comemora a ascensão de Jesus Cristo ao Céu.
Tradicionalmente, nesse dia, em várias localidades, colhe-se a espiga de trigo, o que simboliza a bênção dos primeiros frutos.
Nalgumas regiões fazem-se ramos com espigas de trigo, rosmaninho, malmequeres brancos e amarelos, papoilas e folhagem de oliveira.
Estes ramos guardam-se por um ano."

Ora aí está um dia que eu gostava muito quando andava na escola (até ao 9º ano).
Havia sempre alguma professora que tinha a iniciativa de irmos pelo olival fora fazer um raminho do dia da espiga.
Era outros tempos.
Agora atrás dessa escola onde andei só existem prédios e estradas, acabou-se o olival cheio de ovelhinhas e passarinhos.
Viva a evolução e os tempos modernos com poucas actividades ao ar livre.

Post 2
Continuo a interrogar-me porque raios o Jorge 'Almighty' tomou esta decisão de não deixar avançar o referendo sobre o aborto... Alguém me explica porquê que se trava este referendo?
Já agora também vai travar o Referendo sobre a Constituição Europeia...
Mas não creio, mesmo a nível jurídico a Comunidade é prioritária e sobrepõe-se ao Estado.

Andava eu a tecer elogios às decisões razoáveis do Jorge "Almighty" e o homem vem anunciar que não quer referendar o tema do aborto.
Não entendo... ou talvez entenda.
O povo português muito calão por cultura - não são só os alentejanos como têm a mania de dizer - quase de certeza que não ia participar nada de jeito nesta consulta.
A oportunidade mais importante do eleitorado fazer prevalecer a sua vontade é geralmente menosprezada.

Á excepção das últimas eleições, que foram a materialização do desagrado pela condição miserável a que chegou o nosso país, só se verificaram grandes taxas de participação em actos eleitorais no período pós 25 de Abril.
Mas se ele decidiu que não quer importunar as pessoas com perguntas e liberalizações de uma actividade que se vai perpetuar eternamente, ok...

Nada de jeito deste lado do monitor, continuo à espera (sentada) da cartinha da Assembleia a informar como ficou a situação do meu concurso.

Vou dedicar-me à pesca que é melhor!
...

Sem comentários: